Volte ao SPIN

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Fwd: versículos 84 a 108





Mensagem original
De: jose carlos lima < ideiasemarmario@yahoo.com.br >
Para: edson_barrus@ig.com.br
Assunto: versículos 84 a 108
Enviada: 16/12/2005 12:51

94  " Parnasianismo
Origens
O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético que reagiu contra os abusos sentimentais dos românticos. Alguns críticos chegam a considerá-lo uma espécie de Realismo na poesia. Tal aproximação é relativa, pois apesar de algumas identidades (objetivismo, perfeição formal) as duas correntes apresentam visões de mundo distintas. O autor realista percebe a crise da auto-imagem elogiosa da burguesia européia, já não acredita em nenhum dos valores da classe dominante e a fustiga social e moralmente. Em compensação, o autor parnasiano mantém uma soberba indiferença frente aos dramas do cotidiano, isolando-se na sua "torre de marfim"*, onde elabora teorias formalistas de acordo com a inconseqüência e a superficialidade vitoriosas em vários setores artísticos, no final do século XIX.
Neste sentido, o Parnasianismo pode ser associado à Belle Époque - época dourada das elites européias, que se divertem com os lucros do espólio imperialista. O can-can, os cabarés e cafés parisienses, os janotas que bebem licor e as prostitutas de alta classe formam a imagem frenética de um mundo enriquecido e alegre. Uma certeza inabalável preside esse mundo: a de que ele é eterno e superior. Assim, o Parnasianismo será a tradução poética de um período de euforia e de relativa tranqüilidade social, no qual a forma se sobreporá às idéias.
SURGIMENTO
Seu surgimento deu-se na década de 60, através da revista Parnase contemporain, dirigida por Théophile Gautier. O poeta mais expressivo do grupo colaborador, Charles Baudelaire, mais tarde romperia com a pesada estética parnasiana.
.
.
.
.
.
95 que tal agora entrar no Google, spin buscador, pessoa jurídica,  com o nome Charles
Sim
Um momento... volto agora mesmo com o resultado
Cheguei
Voltei com tudo na mão
Ele voltará
Com uma rosa na mão=coração
Para no deserto
No deserto sentidos nossos
Ele, o homem-sem-osso voltará
Ele, este homem que saiu da terra, para longe=ausente da gravidade=matéria, perder os ossos
Ele fugiu da terra em velhas naves=aviões de prata
Mas ele voltará
Com uma rosa na mão=coração para plantar no deserto
No deserto sentidos nossos
E beijará o chão
Num claro instante
Entre o atlântico e o pacífico
Assim como diz o Caetano Veloso na música Um Índio
Gravada pelo Ney Matogrosso, Maria Betânia, o próprio Caetano e talvez outros
Outros semelhantes
Agora entendi o motivo do sonho desta noite
Quando sonhei com a seguinte ordem=determinação
Procurar seus semelhantes
E procurei na internet
E procurei na vida real, lá fora, nas construções
Não na gelada burocracia=burrocracia
Não na festa de natal de Marilene, da qual fui excluído
Estou bem
Encontrei meu semelhantes
Quero formar uma parceria com eles
Quero chamar aqueles pedreiros
E fazer uma festa de natal aqui em casa
Hoje a noite
Talvez amanhã
Eles e as mulheres deles
Ah sim, claro que vou
Eles são da minha turma
O pedreiro=filho já foi flor que não se cheira
Ele: já fui terrível!!!! Bati em muita gente. Depois que casei tomei juízo...
É força da amizade
A amizade com os amigos
A amizade com a esposa
A amizade com os filhos
A este respeito ouça "Primavera", na voz de Beto Guedes=spin cantor=compositor, humano
Ah, me lembrei de uma louca que vi no interior do ônibus
De cara, ela se simpatizou comigo
Parecia criança, dava urros no interior do ônibus
É que ela queria descer onde desci
Engraçado.... eu nunca tinha visto tanta empatia
Sei lá.... vai ver que os loucos se identificam=reconhecem entre si
Se não me engano, o nome dela era Eloy Guedes, ela estava acompanhada da mãe
Ela vinha de um sanatório que fica no Jardim Goiás
Vou procura-la, quem sabe assim vou achar minha turma?
Quem sabe sabe sofro de esquisofrenia=urgência=ortonomia=irrealidade(virtualidade)?
Que tal chamar os loucos=mendigos
Aqueles que são, a todos momento, cuspidos=expulsos
Como este senhor que vi ontem na ponte e fotografei
Sim, dirão: que foto triste!!!!
Triste mesmo
Mas é a realidade.
Fazer o que?
Vou sair para escanear a foto e volto
Um momento...
Enquanto eu não estou presente, conheça=olhe=seja este aí do versículo seguinte
Tanta maravilha=beleza neste homem=olho=ser!!!!!!!!
.
.
.
.
96 Charles Baudelaire
Charles Pierre Baudelaire (1821-1867), poeta francês precursor do Simbolismo,
autor de Les Fleurs du Mal, 1857 (As Flores do Mal). Com versos rigorosamente
metrificado e rimados, que prefiguram o Parnasianismo, Baudelaire trata de
temas e assuntos que vão do sublime ao escabroso, investindo liricamente
contra as convenções morais que permeavam a sociedade francesa dos meados do
século XIX.

Destacou-se também como crítico de arte, com L'Art Romantique, 1860 (A Arte
Romântica), e com as traduções do contista norte-americano Edgar Allan Poe. Entre
os ensaios, destacam-se Les Paradis Artificiels,1860 (Os Paraísos Artificiais),
sobre a ingestão de drogas e seus efeitos estéticos. A vida de Baudelaire ficou
marcada pelos desentendimento como o padrasto, que chegou a enviá-lo à Índia e a
submetê-lo a conselho judiciário, visando a recuperá-lo da vida boêmia que levava
em Paris.

Diversos poemas de As Flores do Mal foram cortados do livro como imorais, por
decisão legal, num processo que só foi anulado em 1949. Na poesia de Baudelaire já
se encontram traços que serão dominantes no Modernismo do século XX.
.

Nenhum comentário: